Uma planta para reverenciar…

Hoje quero falar com você sobre uma das plantas de uso tradicional mais antigo que se conhece: a babosa. Seu nome botânico mais conhecido é a Aloe vera, onde Aloe deriva do grego e quer dizer substância amarga e brilhante.

Originária da região do Mediterrâneo, já aparecia em muitas representações vegetativas na tumba de Tutankhamon, bem como no papiro de Ebers, do antigo Egito, onde era descrita em formulas de elixires para prolongamento da vida.

Segundo dr Márcio Bontempo, em seu Guia Médico da Saúde Natural, o gel de aloe vera alivia condições dermatológicas como a dermatite por radiação e promove a cicatrização de úlceras crônicas da perna. Largamente utilizada na veterinária, o gel da planta acelerou a cicatrização de feridas cirúrgicas, queimaduras, úlceras de decúbito e ulcerações produzidas pelo frio em animais. Componentes químicos encontrados em sua composição conferem à babosa, características anti inflamatórias, analgésicas e anti histamínicas capazes de inibir entre outras coisas, pruridos (coceiras) e irritações na pele.

De acordo com Harri Lorenzi do Instituto Plantarum, uma referencia em Botânica, autor de mais de 23 livros na área, o sumo mucilaginoso da Aloe vera possui atividade fortemente cicatrizante e uma boa ação antimicrobiana sobre bactérias e fungos, sendo porisso indicada como cicatrizante nos casos de: queimaduras e ferimentos superficiais da pele.

Aliás por falar no Instituto Plantarum, aos que moram na região de Campinas, Americana e cidades vizinhas, recomendo fortemente uma visita. O Instituto Plantarum fica em Nova Odessa e é visita obrigatória para quem ama a natureza e as plantas. Vale muito a pena conhecer o trabalho maravilhoso do Harri Lorenzi e equipe. Se você quiser saber mais sobre o Lorenzi e o Instituto Plantarum, confira o link do programa especial que a Regina Casé fez com ele:

https://www.youtube.com/watch?v=uPA6dDfdh9w

Mas de volta à babosa nossa homenageada de hoje, ainda temos muita coisa para falar dela, como nos informa a dra Glaucia Saad e seus colegas no maravilhoso livro Fitoterapia Contemporânea. Segundo ela e seus colegas, pesquisa clinicas mostram que preparações do gel da babosa auxiliam na cicatrização de ferimentos, porque tem componentes (polissacarídeos) que

estimulam a atividade dos macrofágos e dos fibroblastos, células responsáveis pela síntese de colágeno e que promovem a reparação do tecido.  Estes mesmos componentes presentes no gel da babosa tem atividade imunoestimulante, antiviral, antifúngica, antidiabética, antineoplásica e antioxidante.

Também pode ser utilizada internamente e foi muito divulgada pelo Frei Romano Zago para a cura do câncer. Entretanto recomenda-se evitar o seu uso prolongado por via oral, especialmente quando tomada em doses mais altas que as recomendadas. Existem relatos de que pode provocar graves crises de nefrite aguda, especialmente em crianças, porque provocam intensa retenção de água no corpo que pode ser fatal.

Mas o mais legal de tudo que estou compartilhando hoje com você é que eu sou testemunha das qualidades curativas da babosa em ferimentos e escoriações. Há pouco mais de um mês sofri um acidente, quando escorreguei na chuva, rolando no asfalto e ralei seriamente as pernas e cotovelos. Fui ao pronto socorro, tomei os antiinflamatórios recomendados, fiz os curativos com as pomadas de colágeno recomendadas, mas as feridas doíam terrivelmente e inflamaram. Imagino que por conseqüência do contato com a água suja da rua. Mas o fato é que eu comecei a ter febres, enjôos, calafrios e as feridas só pioravam. Lembrei-me então da babosa e comecei a usa-la in natura: retirava a polpa da casca com uma colher e utilizava diretamente nas lesões. Imagine a minha alegria com o frescor e alívio imediato. E depois de duas semanas de curativos diários sem melhoras, iniciei uma rápida recuperação e principalmente com alívio da dor e da inflamação. Uma semana usando a babosa desta forma recuperou totalmente todos ferimentos. Minha imensa gratidão à essa maravilha da natureza!

Se você ainda não conhece a babosa, recomendo fortemente que tenha uma delas plantada num vaso em casa ou descubra alguém que a tenha por perto, porque ela pode ser de imensa ajuda em acidentes que provoquem queimaduras de primeiro e segundo graus, ferimentos, escoriações e até em hemorróidas. Também pode ser utilizada na cosmética, pele e cabelos com excelente resultados.

Uma receita simples da mineira Eneida Caetano, terapeuta corporal especializada nos 21 Ritos Tibetanos, para usar na pele nos cabelos é descascar as folhas da babosa e bater no liqüidificador, sem água. Coe em um pano fino, evitando que ao secar na pele dê a impressão de descamação. Se quiser guardar, pode usar um conservante natural, como a popólis. Bastam algumas gotas. Excelente para tratar e evitar o ressecamento das pernas, dos cotovelos e do rosto e para fortificar o couro cabeludo, deixando os fios brilhantes e saudáveis.   Pode ser usada diariamente, porque é indicada para hidratar e tratar todo tipo de pele.

Se você está aqui comigo é porque tem pelo menos simpatia pelo uso dos recursos da natureza. Então não hesite em buscar mais informações sobre esta planta maravilhosa e compartilhando-a com seus amigos e familiares.

Vamos fazer uma corrente do bem, resgatando estes saberes?

Se você gostou deste post e tiver alguma dúvida ou sugestão do que gostaria de ler por aqui, fique à vontade e me escreva contando logo abaixo no espaço para comentários. Terei muito prazer em responder.

Um grande abraço e até o próximo post!

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: