Dengue – causa ou consequência? o que fazer

De acordo com as noticias veiculadas diariamente nos diversos veículos de comunicação, estamos vivendo uma epidemia de dengue no Brasil.

O destaque é que mais da metade dos casos foram registrados no estado de São Paulo, o mais rico da federação. Ou seja a doença não poupa ninguém.
Infelizmente a nossa região metropolitana de Campinas, onde estamos inseridos, é responsável por boa parte deste números assustadores, com conseqüências desastrosas para o já sobrecarregado sistema de saúde público.

Mas o nosso texto de hoje, não é para lamentar e sim para propor saídas. Como Naturóloga, optamos por uma visão mais abrangente do problema cuja solução não passa simplesmente por eliminar o mosquito Aedes aegypti, infectado pelo vírus da dengue, nos lixões, água poluídas dos rios e riachos que nos cercam e as fossas que proliferam em nossas cidades. Ou seja não adianta matar o mosquito sem eliminar as verdadeiras causas. Vale a reflexão. Porque assim podemos cobrar dos nossos líderes políticos que cuidem das verdadeiras causas e não apenas das conseqüências. Será mesmo o mosquito o verdadeiro vilão? Ou é a nossa incapacidade de viver e manter o nosso ambiente limpo?

Da mesma forma precisamos focar no trabalho de verdadeira prevenção contra os ataques da dengue e outras doenças viróticas, fortalecendo nosso sistema imunológico, através de medidas simples, como:
– alimentação sustentada por frutas, verduras, legumes, de preferencia frescos e orgânicos;
– beber água de boa qualidade e procedência. Recomendo o uso do tradicional filtro de argila com velas de tripla ação;
– prática regular de uma atividade física que você goste;
– administrar as emoções, cultivando a serenidade diante das situações de estresse;
– buscar o contato frequente com a natureza para respirar o ar purificado pelas plantas, cachoeiras, rios limpos e o mar;
– prática da oração, meditação e principalmente;
– SORRIA! Cultive a energia transformadora da alegria.
Ainda no quesito alimentação, recomendo fortemente uma receita testada e aprovada com muito sucesso por mim e por meus clientes, que é o suco verde, eficaz para fortalecer e tratar o sistema imunológico:
1 folha de couve;
suco de 1/2 limão
1/2 maça
1 dente de alho
1/4 de inhame
Bater todos os ingredientes no liquidificador e tomar um copo deste preparado em jejum diariamente. Para os que já contraíram a dengue tomar dois copos: um de manhã e outro à noite.

Outras recomendações nutricionais para os que já estão acometidos pelo vírus e sofrendo com seus sintomas como febre, dor de cabeça e enjôos, recomendamos uma dieta leve hipoprotéica ou seja com pouca carne, queijo, ovos, leite integral e gorduras. A dieta deve ser à base de líquidos, caldo ralos de verduras (refogue com pouco óleo verduras como quiabo, erva doce, cenoura, aipo, mandioquinha, inhame, abóbora, beterraba, chuchu, abobrinha. Cubra com água. Leve ao fogo baixo por 40 minutos. Acrescente folhas verdes em geral como acelga, beterraba, cenoura e ervas frescas como salsinha, cebolinha e manjericão. Deixe cozinhar por mais 10 minutos e sirva somente o caldo), arroz integral, inhame e mandioquinha em purês ou refogados, de preferência orgânicos. Chás de hortelã, capim limão, sabugueiro ou tília também são recomendados, além de água de coco e suco de uva orgânico. Lembramos que o chá de sabugueiro ou a tília devem ser utilizados apenas na presença de febres.

Até aqui as recomendações consideraram basicamente o corpo físico, mas é muito importante compreender que um aspecto fundamental que não podemos esquecer quando falamos de saúde do sistema imunológico – responsável por nossa proteção às doenças – é a sua relação direta com o chakra cardíaco.

O chakra cardíaco ou quarto chakra é considerado um dos mais importantes centros energéticos do nosso corpo sutil e está associado a glândula do timo. A ciência médica, atualmente reconhece que o timo desempenha importante papel na regulação da resposta imunológica do organismo. Responsável pela produção de poderosos hormônios regulatórios, conhecidos como timosinas que influenciam a nossa capacidade de lutar contra as doenças ao longo de toda a vida. Ou seja um chakra cardíaco equilibrado remete a uma glândula do timo equilibrada e atuante produzindo hormônios que nos protegem das doenças. E o contrário também é verdadeiro. Bloqueios do chakra cardíaco diminuem o fluxo de energia vital para o timo, resultando em queda nas defesas do sistema imunológico e predisposição à doenças.

Interessante notar que os bloqueios do chakra cardíaco podem ser produzidos por uma incapacidade do indivíduo para manifestar amor por si e pelos outros. Todavia o que mais chama a atenção é o fato de que a disfunção na maioria das vezes resulta de uma falta de interesse do indivíduo por si e pela sua própria felicidade. Ou seja a falta de amor por si mesmo pode ser extremamente danosa à nossa saúde. Ainda mais do que quando não conseguimos manifestar nosso amor pelos outros.

O pulo do gato da nossa reflexão de hoje então está no fato de que quando desenvolvemos a nossa capacidade de amar incondicionalmente a nos mesmos e aos outros, nosso chakra cardíaco se torna mas aberto, nosso timo se fortalece e fortalece nosso sistema imunológico, nos tornando mais saudáveis e preparados para enfrentar desde obstáculos até viroses. As lições de amor estão entre as mais importantes que temos que aprender e aproveitar enquanto estamos vivendo a nossa experiência de vida. Alguém já disse e eu concordo muito que “É o amor, e não o tempo que cura todas a feridas”.

Portanto pense com carinho que este é o nosso tempo de amar.

E o que me diz desta relação entre e o amor e saúde?

Faz algum sentido para você?

Estas reflexões forem úteis para você?

Se gostou compartilhe. Se não gostou me escreva dando sua opinião. Faça como meu amigo Ivail, a quem eu agradeço muito, ter me sugerido escrever algo sobre a dengue. Espero que você tenha gostado caro amigo!

Grande abraço e toda Luz!

Nos vemos no próximo post.

Anúncios

2 comentários em “Dengue – causa ou consequência? o que fazer

Adicione o seu

  1. Olá querida Rouse, é como dissemos outro dia “tantos mosquitos mordendo a gente por aí, e a Dengue ainda não apareceu aqui não..” Compartilho do pensamento sobre a relação que existe entre amor e saúde. Assim como a nossa aparência se transforma diante de nossas angústias, ao contrário, a presença do amor nos faz mais serenos e radiantes. Por esses dias tenho passado por algumas situações delicadas, por algumas vezes senti vontade de chorar, chorei, porque precisava me permitir isso. E Por outras vezes senti vontade de me afogar no cobertor, fugir das complicações, mas aí já não achava que me fazia tão bem como aquele choro de desabafo, na verdade me doía o corpo todo, parecia que “ele” não estava gostando muito disso… E assim o “momento cobertor” durou pouco, o fiz apenas por alguns minutos… no outro já estava de pé ouvindo uma boa música, tomando um bom banho e dando uma volta na rua, que é o que me faz feliz! Penso que a doença é permitida antes por nós mesmos, mas o melhor é que a saúde também, então pode ser uma questão de escolha também. Escolha o cuidado por você (se ame), a doença pode se aproximar, mas ela não será forte o bastante, um beijo!

    Curtir

    1. Isso mesmo querida Rachel! Imensa gratidão por compartilhar conosco a sua forma de lidar com os problemas e principalmente sua compreensão da importância do auto amor como poderoso antídoto contra as doenças. Gratidão por sua generosidade em nos ensinar como driblar um “momento cobertor”. Adorei! Beijos

      Curtir

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: